PLANO ATIVIDADES 2018

Plano de Atividades

para 2018

Procurando responder às principais preocupações da coletividade – sustentabilidade económica e manutenção e criação de infraestruturas que o possibilitem – o Plano de Atividades de 2018 prevê um conjunto de atividades procurando que partam de um núcleo mais alargado de dinamizadores, que motivem um maior acesso de visitantes, e que consagrem o Musas como proposta comunitária e horizontal incrustada no centro da cidade do Porto, tendo sempre como centro da atividade o acesso livre à cultura, desporto, e relação estreita com a terra e a natureza. Embora consciente dos perigos de deriva atual de gentrificação da cidade, que nos coloca debaixo de fogo, o Musas procurará, da forma que puder, resistir a esse cerco e aprofundar ainda mais o seu projeto.
O Musas procurará também debruçar-se sobre o seu próprio projeto, procurando limitar os danos causados por uma perspetiva utilitária e egoísta, em favor de uma real dinâmica comunitária.
Como sempre, para além das propostas previstas neste Plano de Atividades, o Musas continuará aberto a todas as outras atividades que possam decorrer de uma futura iniciativa dos sócios, tal como sempre o fizemos em anos anteriores.
Quinta Musas da Fontinha
Pretende-se neste ano de 2018 arranjar soluções mais efetivas, que antes não foram possíveis, para a diminuição dos gastos de água, e ainda aprofundar a proposta de carta de direitos e deveres dos hortelões, que já começou a ser esboçada nos anos de 2016 e 2017.
A proposta de instalação de um forno, já aprovada, deverá passar para um segundo plano, de acordo com o projeto prioritário de recolha e reencaminhamento das águas pluviais.
Deve procurar relocalizar-se o viveiro de plantas.
Deve procurar concretizar-se o primeiro encontro de trocas de sementes do Musas.
É necessário atualizar e dinamizar o banco de sementes e procurar cada vez mais que os sócios deixem de recorrer (ou recorram bastante menos) à oferta mercantil.
Atividades desportivas e afins
Xadrez
No ano de 2018 continuaremos com a atividade da Escola de Xadrez de Campanhã, sempre em colaboração com a Junta de Freguesia local (Hugo Sousa / Pedro Areal).
Paralelamente, continuaremos a divulgação do xadrez na Escola da Fontinha, reativando a atividade iniciada no ano anterior (Luís Chambel).
Mais uma vez queremos organizar alguns torneios, de caráter aberto e de caráter interno, dando aos jovens atletas do distrito a possibilidade de competir sem a necessidade de viajar. Sempre que possível procuraremos a divulgação do xadrez também em espaços abertos ou na rua (quando e se possível).
Em projeto está também a realização de novos torneios “Xadrez e Amizade”, em espaços não convencionais para o xadrez (em outras associações amigas).
O Musas também voltará a participar nos principais campeonatos de nível distrital, em todas as modalidades (de partidas clássicas, rápidas e semi-rápidas) e em todos os escalões, de adultos e jovens; e nos campeonatos nacionais quando possível, sem dispêndio para a coletividade. Participará também, se e quando viável, nos campeonatos individuais, distritais e nacionais, de acordo com o mesmo critério, tal como definido em épocas anteriores.
O treino dos adultos manter-se-á um dia semanal à noite no edifício sede, sendo a Escola de Xadrez de Campanhã também aberta a praticantes adultos.
Havendo procura faremos mais uma vez formação de jovens e adultos aos sábados de tarde na sede, fora das datas de calendário ocupadas por provas.
Finalmente, o Musas deverá manter o seu papel ativo nas estruturas organizativas do xadrez a nível distrital, continuando representado nos seus órgãos sociais (Pedro Areal, Luís Chambel).
Escalada
O Musas pretende continuar a desenvolver várias atividades de introdução à prática da escalada, aprofundando a iniciativa avançada em exercício anterior (Hugo Almeida).
(Atividades desportivas e afins condicionais)
Go e Xiangqi
Se houver condições para tal, haverá abertura para a prática de outras modalidades, tais como o Go e o Xiangqi, mas tal depende do interesse e disponibilidade dos sócios.
Criação de uma secção de Futebol
Continua de pé, mas agora mais a prazo, a criação de uma equipa de futebol com intuitos lúdicos.
Criação de uma secção de Cicloturismo
Encara-se a possibilidade da criação de uma secção de Cicloturismo, dependendo do desenvolvimento das propostas concretas dos sócios.
Atividades de Ar Livre
Irá procurar dinamizar-se a realização, já prevista mas não concretizada em anos anteriores, de caminhadas pelo Porto e outras iniciativas:
Caminhadas históricas, com o Terra Vivasobre a história social do porto, constituídas por momentos de conversa prévia para contextualização e exploração dos tópicos a visitar pela cidade;
Porto ecológico e ruralcaminhadas por hortas urbanas e zonas verdes ou rurais da cidade;
Passeio de bicicleta e piquenique no Parque Paleozóico de Valongo.
Jogos tradicionais
Realização de novo torneio de malha no logradouro, caso haja iniciativa dos sócios.
Realização de uma oficina de jogo do pau (Bruno Afonso).
Atividades dirigidas a crianças
• Realização de uma ou mais oficinas de jogos tradicionais dirigidos a crianças (macaquinho do chinês, mamã dá licença, cabra cega, pisa, elástico, berlinde, trigo centeio, cirumba, macaca, esconde-esconde, morno/frio/quente, jogo do galo, lenço, médico, pião, corrida de sacos, pau, etc.. (Patrícia Calvário).
Realização de uma atividade de filosofia para crianças na horta, visando incentivar o espírito crítico e discursivo, incentivar a reflexão, ensinar a escutar o outro e a respeitar posições divergentes (Patrícia Calvário).
• Criação de uma horta pedagógica – proporcionar contacto com a natureza, permitir a observação do desenvolvimento das plantas (Patrícia Calvário / Luís Silva).
• Oficina de origami e trabalhos manuais (Patrícia Calvário).
Biblioteca
Pretende-se retomar a divulgação da biblioteca e dinamização do serviço de empréstimo domiciliário;
Pretende-se também retomar o trabalho de registo e catalogação de novos livros;
Criação do centro de documentação de publicações e informações sobre ecologia, hortas, agricultura, ambiente…;
Melhoria, se possível da listagem das publicações existentes no nosso blogue na internet, onde seja mais amigável a consulta por tema, título ou autor.
Exposições
Pretende-se prosseguir a realização de exposições, e o contacto com artistas com propostas para o espaço, tanto no domínio da Arte como no Artesanato.
– Em primeiro lugar prosseguir a participação do Musas no evento comum das galeria do Bonjardim, “Sobe e Desce” (Casa da Horta [Salne Buciute]).
Entre outras possíveis propostas, apontam-se, a título de exemplo (algumas de relativamente fácil viabilização):
– Exposição de cartoon de Jorge Lousada;
– Exposição de pintura/colagens de Luís Nogueira;
– Exposição de desenho de Chelo Meneses;
– Exposição de Banda Desenhada de Marco Mendes;
– Exposição de azulejos de madeira de Victor Escaleira;
Outras… (abertura total a novas propostas).
Conversas
Filosofia a martelo – ciclo (Patrícia Calvário);
Conversas com editores
– Apresentação de um número do jornal “Mapa”, com a presença dos editores, em data a confirmar (Luís Chambel);
– Apresentação de um número da revista “Flauta de Luz”, com a presença do editor, em data a confirmar (Luís Chambel;
– Apresentação de um número da revista “Erva Rebelde”, com a presença dos editores, em data a confirmar (Luís Chambel).
– Debate com Mário Oliveira (padre católico antiautoritário) e Onofre Varela (associação ateísta).
Conversas sobre temas agrícolas
– com João Rebalde, sobre combate a doenças e pragas agrícolas;
– com Bruno Meireles, sobre reconhecimento e uso de plantas autóctones;
– com José Paiva, sobre plantas comestíveis;
– com Jonas Ribeiro, sobre seleção e preparação de cogumelos selvagens;
– com Margarida Silva, sobre OGM;
– com António Strecht, sobre práticas de fruticultura biológica.
Comemoração dos 74 anos do Musas.
Edição e informação
Desde que existam voluntários para tal:
– Manter em projeto a possibilidade de edição de um fanzine do Musas/QMF;
– Manter atualizada uma informação sobre atividades interessantes na cidade e outros locais.
Datas e efemérides a assinalar condicionalmente
23 de março
Dia Mundial sem Carne
(Primeiro sábado a seguir ao Equinócio e ao Dia da Árvore)
Conversa/oficina sobre o vegetarianismo, organizar vurrasco – churrasco vegetariano;
Assinalar a chegada da primavera na horta;
Organizar atividades para crianças sobre a temática da floresta.
25 de abril e 1 de maio
Conversa sobre os tempos do fascismo e a da vida em ditadura, com José Paiva, preso antifascista;
Projeção de alguns dos filmes
– “Bom Povo Português” (74/75) de Rui Simões;
– “Torre Bela” (77), de Thomas Harlan;
– “Índios da Meia-Praia” (76) de António da Cunha Teles.
– “Linha Vermelha”, de José Filipe Costa.
5 de junho
Dia Mundial do Ambiente
Organizar evento sobre a temática com as escolas da freguesia.
1 outubro
Dia Mundial da Música
Organizar concerto.
9 de novembro
Dia Mundial do Xadrez
Organizar magusto e torneio na Quinta.
Poesia
ROMP – Recitais Ociosos do MusasPoesia
Concretização do ciclo dos convívios poéticos.
(Luís Chambel, Júlio Roldão, Patrícia Calvário).
Publicação dos trabalhos expostos e lidos na edição #0.
Visitas
  • Banco de Germoplasma Vegetal;
  • Quinta da Boucinha;
  • Quinta do Juncal;
  • Núcleo AgroEcológico de Campo do Gerês;
  • Quinta do Olival.
Laboratório de Informática
– Seleção do material informático existente e sua recuperação ou doação de material excedente; em último caso abate do material obsoleto e irrecuperável;
– Oficina de iniciação ao Linux e de instalação de sistemas operativos de software livre.
– Organizar conversas ou eventos, tais como Document Freedom Day e Software Freedom Day.
Cinema
Reativação da iniciativa Pratos e Fitas com projeção de filmes com regularidade, ou outras iniciativas de projeção cinematográfica.
Os filmes poderão ser documentários, ficção ou animação, e serão escolhidos pontualmente com a possibilidade de se criarem ciclos, com sessões de periodicidade mais curta. (Frederico Lobo/Luís Silva).
– Exibição do documentário “Mudar de Vida – José Mário Branco, Vida e Obra”, de Nelson Guerreiro e Pedro Fidalgo, com a presença do primeiro (Patrícia Calvário).
– Exibição do filme do Igor Dimitri sobre a QMF, em data a confirmar.
Realização de concertos
– Pretende-se continuar a convidar músicos a apresentar as suas propostas no Musas (Texas, Casa da Horta).
Laboratório de fotografia
– Irá avaliar-se a possibilidade de o reativar (Salne Buciute).
Oficina de fotografia
– Com Celestino Monteiro.
Outras oficinas
– Tijolo de saibroecoconstrução (Henrique Silva)
Restauro de móveis (Luís Lereno)
Área económica
– Manter um espaço de loja do Musas, com vários artigos para venda, como a t-shirt Quinta Musas da Fontinha e outros.
– Participar em iniciativas de troca direta ou sistemas trocais que se venham a desenvolver na cidade.
– Ativar dias de feira de produtos biológicos ou de artesanato.
Março 2018
Luís Chambel (Presidente da Direção)
 

Leave A Comment