RELATÓRIO ATIVIDADES

Relatório de Atividades de 2018

 

Um ano de recuperação com nuvens no horizonte

 

Ao contrário do ano anterior, o exercício de 2018 representou, para o Musas, um resultado de exercício positivo, quer no que respeita a atividades, quer relativamente às contas da coletividade. O resultado, aparecendo um pouco empolado com o subsídio obtido para o projeto de aproveitamento de águas pluviais, foi, ainda assim, positivo quanto às contas, mesmo sem aquele apoio.

Os resultados positivos devem-se à obtenção de alguns donativos de ordem vária e à realização de várias iniciativas – festas, concertos, almoços, etc..

Atenuaram-se um pouco as dificuldades criadas por causas externas relativas à atualidade social em geral, mas apresenta-se agora um cenário de preocupação no que respeita à permanência na atual sede do Musas.

Voltou a diminuir o número de novos sócios relativamente ao ano anterior – quinze em 2017, oito em 2018 [número de novos sócios: 2011 – 65; 2012 – 32; 2013 – 53; 2014 – 54; 2015 – 16; 2016 – 8; 2017- 15, 2018 – 8].

Não se verificou assim a tendência positiva aparente iniciada no ano anterior.

Outro aspeto positivo foi o da relativa recuperação no que respeita ao pagamento de quotas.

Em matéria de intercâmbios, perdeu-se (ou está suspenso) o que mantinha a experiência da Escola de Xadrez de Campanhã, com apoio da Junta de Freguesia local e perdeu-se também a a colaboração com Associação de Pais da Escola da Fontinha. Positivas, pelo contrário, são a continuação da colaboração com a Colher para Semear e a Campo Aberto, mais uma vez sem esquecer as colaborações fraternas da Casa da Horta, Rés da Rua e o Gato Vadio, sendo que os dois últimos projetos se encontram em perigo.

O Musas voltou a participar no “Cidade +”, com resultados positivos a nível da visibilidade, quer quanto à Quinta Musas da Fontinha, quer quanto ao projeto do xadrez.

Manteve-se a boa gestão das contas de água dos hortelões, e deu-se um passo fundamental para resolver a questão do aproveitamento eficaz das águas pluviais, com a angariação de um subsídio de dois mil euros.

Mais uma vez não se fez a atualização do inventário das culturas na Quinta (hortícolas, aromáticas e flores), um preceito que há que recuperar.

Também não se incentivou adequadamente um papel de guardião de sementes, barrando um pouco mais o caminho ao agronegócio. O trabalho na Biblioteca recomeçou, melhorando-se a exposição pública, mas não se tendo avançado muito noutras áreas – atualização dos registos, divulgação do acervo, dinamização das requisições.

 

Na área desportiva, a Secção de Xadrez registou uma nova época positiva.

Mantiveram-se as cerca de duas dezenas de atletas filiados no xadrez, com várias equipas participantes na Taça AXP e no Campeonato Distrital de Equipas.

O Musas voltou a disputar os Campeonatos Distritais de Equipas nas modalidades de partidas rápidas e de partidas semi-rápidas.

Participamos de novo nos Distritais de Jovens, com a conquista do vice-título masculino em sub-18 no Distrital de Semi-Rápidas.

O Musas mantém a representação ao mais alto nível nos órgãos sociais da Associação de Xadrez do Porto.

Na área cultural, este foi um exercício muito positivo, com a realização de vários debates sobre temas filosóficos, com a participação de vários investigadores e académicos.

Realizaram-se também alguns debates sobre temas político-sociais de bastante interesse (organização comunitária em Oaxaca, luta social contra o franquismo, a experiência medieval do anarquismo religioso, etc.).

O Musas integrou-se no movimento cultural das galerias do Bonjardim, com o seu certame regular e não convencional “Sobe e Desce”.

Foi também o ano do relançamento dos encontros de poesia do ROMP, já com vários poetas convidados, e com o aumento da visibilidade e crédito do Musas.

Atividades

Janeiro

(QMF) Início do processo de regulação do excesso de gatos na Quinta, com uma campanha de esterilização.

Doação de glicínias ao Musas.

Início da instrução da candidatura ao fundo Lush Charity Pot para a infraestruturação da recolha de águas pluviais.

(Xadrez) Inscrição e início da participação no Campeonato Distrital de Semi-Rápidas, com três equipas.

(Cultura) Exposição e leilão de obras plásticas de Júlio Roldão a favor do Musas.

Conferência-debate “Anarquismo Cristão na Mística de Hadewijch de Brabante”, com Joana Serrado. [Filosofia]

 

Fevereiro

(Xadrez) Realização do Campeonato Distrital de Jovens, com a presença de atletas do Musas.

Março

Aprovação do Orçamento e Plano de Atividades.

Publicação de um artigo sobre o projeto do Musas na revista “Gayachess”.

(QMF) Festa-concerto “Lugar” na Terra das Crianças.

(Cultura) Edição do “Sobe e Desce”. [Artes Plásticas]

Conferência-debate “Secularização e Práticas de Si”, por Luís Carneiro. [Filosofia]

Jantar e filme, com Andreia Farinhas: “Sem Comentários: História Contemporânea”. [Ideias]

Abril

(Xadrez) Participação do Musas na Assembleia Geral da AXP.

(Cultura) Concerto O Gringo sou Eu. Benefit de associados a favor da realização do Encontro Anarquista do Livro. [Ideias]

Maio

(Xadrez) Participação do Musas na Taça AXP.

I Torneio Musas – Chess & Hats

(QMF) Reunião de hortelões para reorganização da Quinta.

(Cultura) Festa “Mensagem Melódica”, a favor de um centro cultural independente lituano.

Conferência-debate “Bom Rebanho e Bom Pastor”, com José Maria Costa Macedo. [Filosofia]

Edição do “Sobe e Desce”. [Artes Plásticas]

Oficina de cianotipia, com Celestino Monteiro.

Junho

(Xadrez) Participação nos Campeonatos Distritais de Partidas Rápidas.

Organização do Torneio “Xadrez na Praça”.

Realização do S. João Rebelde no Musas.

(Cultura) ROMP_01, com Alexandre Teixeira Mendes. [Poesia]

Apresentação e debate de “Fuck Work!”, de James Livingstone, com a presença do tradutor, Pierre Vesperini [Filosofia]

Julho

(QMF) Almoço comunitário de associados.

(Outras) Participação no MercadECO do Cidade+.

Apresentação no Porto do Congresso Galego do Decrescimento, com apoio do Musas. (Ideias]

(Cultura) ROMP_02, com Nunes Zarel·lecci. [Poesia]

Conferência-debate “Ecologia Social e Lutas Populares”, com José Paiva. [Ideias]

 

Setembro

Visita de professores e alunos de Arquitetura da Universidade do Minho.

(Cultura) Edição do “Sobe e Desce”. [Artes Plásticas]

ROMP_03, com António Pedro Ribeiro. [Poesia]

 

Outubro

(QMF) Ação de replantação na Terra das Crianças.

(Cultura) ROMP_04, com Aurelino Costa. [Poesia]

Conferência-debate “Panorama actual da Turquia, por vozes anarquistas turcas”. (Ideias]

(Outras) Concerto DJ Urânio & Mc Sissi – “Plantação da República”

(Xadrez) Geammal Dicu, do Musas, sagrou-se vice-campeão distrital de Semi-Rápidas.

Renovação da filiação do Musas na Federação

Portuguesa de Xadrez para época de 2017-2018.

 

Novembro

(QMF) Ação de limpeza na Agrofloresta.

II Encontro sobre Ambiente em Famalicão, com apoio do Musas.

(Xadrez) Participação no Torneio de Xadrez António Torcato.

(Outras) Realização do magusto de S. Martinho.

(Cultura) ROMP_05, com Arnaldo Trindade. [Poesia]

Conversa-debate com Ricard Vargas, “Guerrilha Urbana 60’s e 70’s na Catalunha”. [Ideias)

Dezembro

Reunião de trabalho do Musas.

(Xadrez) Redação dos regulamentos dos torneios 75 Anos do Musas.

(Cultura) ROMP_06, com Francisco Duarte Mangas. [Poesia]

Conversa-debate sobre Oaxaca. Filme “Como uma Pedra no Sapato”. [Ideias]

Porto, abril 2019

Luís Chambel, presidente da Direção

Comments are closed.